5.6.06

Largo do Viriato

junho 2006


junho 2006

Balneário do Viriato


maio 2006


Até ao ano de 1828 quando não existia ainda o largo do Viriato, a rua dos Fogueteiros (hoje de Azevedo de Albuquerque) e a Bandeirinha ligavam-se directamente e á confluência de ambas, ia à rua das Carrancas (depois da Liberdade, e agora de Alberto Aires de Gouveia).
Grande parte do chão onde hoje se vê o Largo do Viriato estava ocupado pela nobre que fora residência dos riquíssimos Morais e Castros, negociantes que tinham por alcunha «os Carrancas». Viveram ali antes de construírem o magnifico palácio que é hoje o Museu Nacional de Soares dos Reis, depois de ter sido paço real.
Aquela casa dos Morais e Castros foi, para a urbanização do local, demolida em 1841, e uma grande pedreira sobre que assentava desfeita entre 1841 e 1843, aproveitando a Câmara a pedra para as suas obras Municipais. Isto rebaixou muito o terreno, e daí nasceu o Largo do Viriato.




foto de: Zwigmar

Neste Largo existe um edifício de Banhos Públicos.

junho 2006

4 comentários:

Nuno disse...

Ora viva, curioso que esta semana fui aqui tirar umas fotos:). Não sei se é pedir muito mas como definitivamente é um afectuoso conhecedor da cidade nunca pensou em contribuir para a wikipedia?
http://pt.wikipedia.org/wiki/Porto
Pelo menos a dar uma pequena revisão porque aparecem às vezes aparecem erros por lá...

Nuno disse...

Tal como o erro da minha ultima frase:S

Teo Dias disse...

Caro Nuno,

A Wikipédia é uma ferramenta colaborativa que eu muito consultei ao fio de todos estes anos de publicação do blogue. Questão de facilidade? Talvez. Ali tinha uma informação rapidamente à mão.

Porém nunca colaborei pois é coisa que exige tempo, pertinência e estudo.

Infelizmente, no mês passdo encontrei uma inexactitude e tentei corrigi-la.

Erro meu! o indivíduo que me respondeu era mesmo uma pessoa que só acreditava no que encontrava na internet. Pelos vistos não se dava ao trabalho de ler livros. Até teve a coragem de me responder que tinha mesmo encontrado "erros" em Enciclopédias.

Depois disso ponho mesmo em causa o que possa estar dito na edição portuguesa da Wikipédia. Infelizmente para a equipa portuguesa.

A maior parte da história do quotidiano não está nem nunca estará na internet. As pessoas que colaboram na Wikipédia devem ter suficiente sentido crítico e espírito de pesquisa para acumularem os saberes a divulgar.

Estou longe de pensar que aqui tudo o que está escrito é bom. Há falhas e omissões, mas nunca recusarei uma crítica ou um complemento de informação.

Hoje, estou a fazer uma pequena actualização e encontrei o seu comentário, por isso relembro este assunto.

Obrigado pelo seu onvite.

Teo Dias disse...

corrijo:

na última linha:

"convite"