5.3.09

Eles querem cobrir a rua de Cedofeita II

080309P

E se a cobrissem assim, e se a mantivessem limpa, eu até talvez estivesse de acordo.

5 comentários:

Anónimo disse...

Isso, meu amigo! Continua a sonhar, que por enquanto é de graça e não se paga imposto!... Perdoai-lhes, senhor, pois não sabem pra que servem os miolos!

Alma Errante

Anónimo disse...

A capacidade das pessoas desta terra para se abstraírem do essencial e se dedicarem ao supérfluo é algo que continua a espantar-nos. Poucos se preocupam com a manutenção do pavimento existente, com a reabilitação das frentes de rua e dos seus interiores, com a dinamização do comércio e restantes actividades, com o regresso das famílias à ocupação da função habitacional dos edifícios. Ninguém apresentou um estudo de viabilidade económica para a colocação e manutenção da cobertura, um estudo do comportamento térmico e do acústico, que para além de outras coisas previsse o efeito que iria provocar no interior e exterior dos edifícios (sobretudo das habitações). Enfim, é mais fácil o ilusionismo.
É frequente salientar, em oposição, o exemplo da Rua de S. Catarina, mas nós gostaríamos de reflectir sobre a Rua da Assunção e, mal comparando, apontar a questão da atitude, questão fundamental para se vencer.
Votos de continuação de Bom Trabalho (onde nos perdemos horas a ler), da equipa ssru.wordpress.com

Vap disse...

Eu concordo com o anónimo, ssru.
Na verdade, tanta coisa para fazer no Porto, e estão preocupados em tapar o céu!
Tapar a linda vista que se tem de Cedofeita, para a Torre dos Clérigos!
Ideias...

Teo Dias disse...

Cara Vera,

Totalmente de acordo consigo, há coisas de que eu sentiria a falta, a torre é uma delas, a outra, sem dúvida seria aquela árvore alta que eu não sei se é uma araucária que está mesmo atrás do ex-palacete da baronesa do seixo.

Construir uma rua coberta é preciso um pouco de imaginação e algumas ideias.

Cá por mim, que nada sabe de urbanismos nem de desenvolvimentos sustentáveis, que ainda menos sabe de arquitectura, continuo a dizer que as cidades são o resultado da vontade do «Príncipe» e não dos «Emprenteiros» ou dos «Arquitectos». Só para dar o exemplo do Porto: devemos mais aos "Almadas" do que ao "Auzelle" ou ao "Euro 2004".

A ideia de "cobrir" Cedofeita, vem dos comerciantes da zona, alguns nem lá exercem a sua profissão.

Anónimo disse...

A rua de Cedofeita coberta?Dá-me
vontade de rir.A gente que mora nos
andares superiores deixava de vêr
a rua e os seus transuentes,e que
fazia para se vingar,deitava o lixo
para a cobertura da rua.A câmara
que nem o lixo das ruas consegue
limpar,embora se congratule com a
movida a mmoda do porto,ia limpar
a cobertura de Cedofeita.ha ha ha .