30.5.07

Rua GONÇALO SAMPAIO




Breve nota biográfica:

Gonçalo António da Silva Ferreira Sampaio ( São Gens de Calvos, Póvoa de Lanhoso n. 1865 - Porto f. 28/07/1937). De origens humildes, foi com algum sacrifício de parentes e amigos que iniciou os seus estudos na cidade de Braga e os continuou no Porto. Matriculou-se na Universidade de Coimbra com a intenção de se licenciar em Matemática. Mas desistiu do curso ao fim de um ano. Acabou por se formar em Ciências Naturais pela Academia Politécnico do Porto. Em 1901 foi nomeado naturalista adjunto de Botânica e, em 1902, encarregado de dirigir os trabalhos dos alunos de Botânica. Em 1910, torna-se regente desta cadeira e, no mesmo ano, representa Portugal no Congresso Internacional de Botânica, em Bruxelas. Em 1912, com 47 anos de idade, é nomeado por distinção Professor Catedrático. Foi, também, um apaixonado pela música. Dedicou-se ao folclore e às músicas tradicionais, especialmente às do Minho. Entre a sua vasta bibliografia consta, no campo Botânica, "Estudo sobre a flora nos arredores do Porto" (1900) e "Estudos Botânicos" (1912); no campo musical, "Cantos Populares do Minho" (1927) e "Cancioneiro Minhoto" (publicação póstuma).


Busto do Dr. Gonçalo Sampaio no Jardim Botânico do Porto


Nota sobre o Jardim Botânico:

O Departamento de Botânica é o herdeiro de uma história de ensino da Botânica, iniciada em 1818, com a nomeação, na Academia do Porto, do primeiro Professor de Agricultura (nesta época, a Botânica era estudada no âmbito da Agricultura).
O primeiro professor de Botânica foi o Barão de Castelo de Paiva - António da Costa Paiva, por no seu tempo - em 1837, ter sido formalmente criada a disciplina de Botânica.
A criação da Academia Politécnica do Porto, em 1837, associou à Botânica um Jardim Experimental. A criação do Jardim Botânico sofreu atrasos e contrariedades diversas, tendo estado previsto para vários locais, nomeadamente para os terrenos do Convento dos Carmelitas, cedidos em 1845, para só se concretizar um século mais tarde - em 1949, na Quinta do Campo Alegre.
Entre os muitos Professores de Botânica da Academia e da Universidade do Porto, merece especial referência Gonçalo Sampaio, nomeado Naturalista em 1901 e mais tarde Professor, que pelo extenso e profundo trabalho de recolha e estudo de vários grupos de plantas, com relevância para as plantas superiores, é considerado um dos maiores botânicos portugueses. Gonçalo Sampaio mereceu a honra de ser nomeado patrono do Instituto de Botânica - designado então Instituto de Botânica Dr. Gonçalo Sampaio, na altura um estabelecimento anexo da Faculdade de Ciências.
Em revisão recente dos Estatutos da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, o Instituto de Botânica Dr. Gonçalo Sampaio passou a constituir o Departamento de Botânica, mantendo a responsabilidade pelo Jardim Botânico e Herbário. O Departamento de Botânica é actualmente uma estrutura funcional com vinte doutorados em diferentes áreas de especialização, duas mestras, seis licenciados e dezanove técnicos distribuídos por várias categorias profissionais.
O ensino e a investigação constituem as actividades fundamentais do Departamento. As áreas abrangidas vão desde as tradicionalmente incluídas na Botânica, como a Anatomia, a Fisiologia e a Sistemática e Taxonomia, a outras áreas, como a Biologia Celular, a Manipulação Genética e Biotecnologia, a Microbiologia e a Micologia.
No âmbito do ensino pós-graduado, o Departamento é responsável pelos Mestrados de Fisiologia do Desenvolvimento Vegetal, Ecologia da Paisagem e Conservação da Natureza e co-responsável pelos Mestrados de Ensino da Biologia e de Enologia e Viticultura. No âmbito das licenciaturas, é responsável pelo curso de Arquitectura Paisagista, co-responsável pelos cursos de Biologia, Ensino da Biologia e Geologia, e Ciências e Tecnologia do Ambiente, e presta serviço docente para os cursos de Engenharia das Ciências Agrárias, Geologia e Bioquímica. Na formação contínua, tem organizado Acções de Formação Foco para Professores dos Ensinos Básico e Secundário.
Os docentes têm orientado doutoramentos, dissertações de mestrado, e são
responsáveis por projectos de investigação em várias áreas de especialização.
Na cooperação com o exterior, o Departamento disponibiliza serviços de apoio à comunidade e tem numerosos intercâmbios científicos e com instituições nacionais e internacionais. O Herbário mantém intercâmbio com Herbários de todos os continentes.


1 comentário:

mi de sétima disse...

parabéns pelo excelente blog.
uma curiosidade, que máquina usa?