5.7.13

Jardim de São Lázaro

2013_141



Foi numa manhã de Fevereiro passado.
Andei de novo num dia de sol de Inverno para aqueles lados.
Primeira surpresa, o portão do jardim estava meio aberto, meio fechado. A segunda também é evidente. Aquele líquido que escorre não é água da chuva e whisky também não é, certamente. Pelos vistos são necessários mais mobiliários urbanos naquela zona da cidade onde os velhotes com problemas urinários se possam aliviar dos seus males.
Mas as surpresas ainda mal tinham começado!

O Jardim tinha mudado de nome!

Tinha um nome que eu desconhecia!

2013_142


Tímida, assim num canto a tabuleta verde anunciava "Marques de Oliveira"! Com uma atitude pedagógica louvável também esclarecia o portuense mais picuínhas que o cidadão em questão tinha sido artista plástico. E para não haver confusões entre o pai e o filho (outros há não especificados na cidade como "Teixeira Lopes") a tal comissão que se encarrega do assunto teve o cuidado de colocar as datas de nascimento e de falecimento, o que muito nos apraz. 1835 - 1909!

Mas para informar os meus raros leitores destas cousas da cidade habituei-me a ir completar os dados por aqui ou por além. Só para juntar mais um grão de sal, tal como se a pessoa em questão era Alberto ou Joaquim, tinha algum elo importante com o burgo em que vivo, etc, etc e tal!

Podia ter ido procurar num daqueles calhamaços mas ninguém ainda me ofereceu o "Dicionário Ilustrado dos Portuenses Ilustres (sec XIX - sec XXI). Vai desta e... teclado, monitor! 
Encontrei logo entre os "Antigos Estudantes" da Universidade do Porto o dito cujo pintor "João Marques da Silva Oliveira" que tinha cursado a Academia Portuense de Belas Artes. 

Momentos antes de gritar "vitória!" e outras coisas, limpei os óculos, penteei as sobrancelhas e dei meia volta! 

Tinha sido tão simples publicar aqui uma ou duas fotos com o título "Jardim de S. Lázaro"! mesmo sem o coreto, mesmo sem os velhotes que passam os dias a jogar à sueca!

Mas havia um "hic". 
(já estou a ouvir ali uma vozinha de flauta: "Picuínhas" o que foi desta vez?)

Pois é! Não era este! tinha batido na porta errada. Não batia certo! Era simplesmente uma questão de datas. Bof! Deixemos vamos lá botar as fotos e...

"copiar-colar" é simples hoje em dia. Basta depois juntar em nota de rodapé a fonte. Não faz mal se a página tem mais linhas de notas de rodapé que de texto escrito pelo autor (não deve ser o meu caso).

Os visitantes habituais do blogue (cinco ou seis, talvez uns dez por semana quando não há futebóis) já sabem que o meu "tira-teimas" é a página da CMP.

Abro uma nova janela... corro até aos Marques, e....



Pois é! A placa "não diz a verdade"! Enganaram-se redondamente em ambas as datas! Será assim tão difícil fazer um "copiar-colar"? 

Aqui há uns meses também eu tinha tido um desbafo sobre o trabalho da "Comissão de Toponímia" sobre a rua da Cidade de Luanda. Como tinha divulgado a coisa junto de amigos, um deles contactou um dos membros da dita Comissão. O texto do "site" municipal foi corrigido (mal corrigido com uma frase vazia que nada explica). Mas senhores, arrangem alguém para copiar os textos, arrangem alguém para rever os textos. Aposto que nem seria necessário criar dois novos postos de trabalho!


3 comentários:

Manoel Pinto disse...

O pintor Marques de Oliveira foi um grande amigo de Soares dos Reis. Disse -me um dia um seu sobrinho e seu herdeiro de quantas obras ele deixara, que era injusto haverem colocado seus bustos de costas voltadas, no Jardim de S.Lázaro, tendo sido eles grandes amigos. Estou a falar do ilustre advogado, há muito falecido, Dr.Alves Roçadas, morador na R.do Teatro, na Foz do Douro, e meu vizinho. Era eu da idade do filho, tendo frequentado assiduamente a sua casa e havendo tido o privilégio de me mostrarem todo esse magnífico acervo pictórico de Marques de Oliveira, guardado que estava, nos anos 50, num prédio da R. das Oliveirinhas, bem perto do Carlos Alberto.

Teo Dias disse...

Caro Manoel Pinto,

Obrigado pela informação. É uma parte da história desconhecida (ou esquecida) do século XX. O prédio em questão devia estar situado na rua das Oliveiras pois a rua das Oliveirinhas é do outro lado da cidade. Abraço.

Manoel Pinto disse...

Exacto ! Rua das Oliveiras, no mesmo passeio do cinema Carlos Alberto, mas antes da travessa (não recordo o nome) que liga as Oliveiras a Cedofeita.